sábado, 25 de julho de 2009

Da herança que eu posso deixar


Amo elogios (e quem não gosta?!), mas aqueles sinceros que, por isso mesmo, estão cada vez mais raros. Minha mãe sacou isso ainda na minha infância e, para atrair meu interesse, fosse no que fosse, ela simplesmente ia extraindo algo de bom no que eu fazia até que eu pudesse fazê-lo realmente bem. Elogiar era sua forma de me incentivar. E foi assim, no rastro de seus elogios, que fui tomando gosto por coisas bem importantes pra mim, como escrever e cozinhar.

Mas, como sou uma menina espertinha, fui crescendo e aprendendo a descartar a maior parte dos elogios que chegavam até mim por identificar aquele tom de praxe que descoloria esses pequenos agrados que eu gostava tanto na meninice.
Outro dia, porém, recebi o melhor elogio que alguém poderia me fazer. Ele chegou cheio de aceitação, como que planando na minha alma, e me emocionou de um jeito calado, adulto.

Viajando com meu irmão, e trocando idéias amigavelmente, fui surpreendida quando ele disse que rezava para que sua filhinha de 5 anos saísse a mim, que herdasse minha personalidade e que encarasse a vida como eu. Um anjo passou antes que eu me ouvisse dizer que o preço que eu pagava pra ser eu mesma era alto demais. Ser forte, talvez a principal característica da tia da Lara, é tarefa árdua, assim como é hercúlea a missão de ser fiel a si mesmo.

Para ela, que já herdou muito da minha personalidade independentemente dos anseios de seu pai, desejo apenas que, como a tia, Lara DECIDA ser feliz. Porque isso – ser feliz – é uma questão de atitude, de resolução e, principalmente, de coragem.

8 comentários:

Gra Porto disse...

Tb gosto de receber elogios. Embora sempre fique sem graça com eles. Engraçado gostar de algo e não saber lidar com isso né?
Sabe q tb tomei essa tal decisão ai. Por mim.

Gustavo disse...

Das heranças que você pode deixar penso que, além da alegria e da força, também estão a firmeza de caráter, a admirável disposição para o trabalho (coisa rara), a arte de cozinhar bem (uma delícia o coq-au-vin !) e a inconfundível beleza que, das fotos que vi de Lara, posso presumir que também já foi herdada por ela. Você é uma mulher rara, única. Você é "para quem pode, não para quem quer", e até eu já entendi isso. Um super bat-beijo.

Luisa Dias disse...

A Lara, com certeza, vai guardar em cofre tamanha herança... e que ela, como você, tenha este dom de ser feliz! Bjos!

Cássia disse...

Ops! O comentário foi postado no lugar errado. Aqui vai novamente:

Neste elogio você deve acreditar e dele deve se orgulhar, afinal, só o melhor desejamos para nossos filhos. Se seu irmão deseja que sua sobrinha se pareça com você, é porque vê em você grandes qualidades. Não sei sei é o caso dele, mas não sou muito pródiga em elogios (acho que até devia ser mais), mas quando faço algum, é realmente sincero. :)

Patricia Papini disse...

Gra Porto, Gustavo, Luísa e Cássia já falaram quase tudo. Restou-me apenas isso: gata, você é A pessoa, A amiga, A mulher. Há muitas heranças que você pode deixar, inúmeras, incontáveis e lindas.

Anônimo disse...

Quero ser vc qdo crescer!

A - do - rei!

Um beijo afetuoso!

Sirley

Mari Coelho disse...

Agora (após ler alguns de seus textos) entendo porque desde o início gostei de você... ô energia boa!! Bjos

Paulo Marques disse...

Gata, eufemismo para felina, leoparda. Gosto de seu jeito leonina de ser.
Já conversamos sobre isto, mas já que confete pouco é bobagem, tasco novamente.
Ser pai de um leonino é desafiante (Artur, meu filho, nasceu no mesmo dia desta chaninha, 17/8). Isto porque trazem um espírito muito forte e intenso. Vocês são emotivos, criativos, críticos e com um espírito de liderança e vitalidade sem igual. São pessoas preciosas que requerem cuidados especiais para lidar com o rei que costuma crescer mais do que deve na barriga e a baixa resistência à frustração que levam filho e pai ao desespero (Ainda bem que sei o quanto são resilientes e que após se acabarem em lágrimas se levantam e seguem a vida com asserção e vitalidade).
Também quero que meu filho seja um "alino", doce, assertivo, vivo e criativo. Sei bem que será...

Beijos do Paulo.