quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Recorte


Ela me desejou silêncios. Estiquei o braço, virei o botão pra direita e aumentei o som. E a música foi avançando rumo as paredes, me cercando, envolvente, atordoante. Deixei cair meu corpo magro no chão frio, encolhida, olhos cerrados e vi quando as lágrimas, temerárias, decidiram beijar o assoalho. “Basta um dia, somente um dia...”, Chico dizia, enquanto a dor disputava espaços dentro de minha alma tão cansada de momentos-zumbi, de passados burros, de escolhas tortas.

E eu que odeio relógios desejava vorazmente as horas, muitas delas amontoadas num saco de lixo repleto e pronto pra ser jogado fora. Naquela madrugada, desejava o dia e mais um. E mais outro. E outro ainda. Folhas do calendário arrancadas poderiam aplacar meu fracasso? Dias riscados dariam fim a frustração do não, à impotência do não-ser?

Ela me desejou silêncios. E eu ardia. E eu queria risos. E eu queria sussurros. E eu queria, queria, queria... não querer. “Basta um dia, somente um dia...”, o homem-do-olho-de-mar se solidarizava com meu corpo doído, um tanto gelado, magoado, arranhado, faminto. Não havia vontade pra vontade de correr, não havia paz na noite, nem sol suficiente para que fosse dia. E ela me desejava silêncios?!

De repente calou-se, zangado. Não bastaria um dia. Não haveria dia! E meses, anos, séculos ficariam tatuados pelo chão frio. Mas uma calma absoluta foi se entranhando nas horas emburradas, preguiçosas, até que, enfim, a madrugada sorriu. Porque ela me desejou silêncios.

3 comentários:

Mônica disse...

Amiga, vamos inaugurar o "dia do cinema" semana que vem??? Acho que será na segunda-feira!Te aviso! Beijuus

Aline Leonardo disse...

Êpa! Tô dentro!
Fico aguardando, lindinha!

criadora de orquídeas disse...

Nina, engraçado como tudo faz sentido quando conhecemos a realidade do texto. Na primeira vez que o li achei denso, forte demais para essa menina tão terna, meiga, dócil. Agora, voltei para ler com o sentido, que eu mesma tinha passado: "O silêncio", de presente de aniversário. Entendi, amei. VC É MARAVILHOSA...tudo que vem de vc é energia, é vida, é paz - através do silêncio de sua voz que não ouço. Te amo pra sempre.