sábado, 20 de março de 2010

Vivendo-me

Não sei ao certo em que situação meu amigo Rimene usou pela primeira vez a expressão “Aline vive-se!” Nem sei se ele chegou a repeti-la. Também não tenho certeza se ele estava fazendo um elogio, mas, como é bem do meu feitio lenir, o fato é que a locução colou e, hoje, virou sinônimo de uma outra frase (que eu amo!) muita usada pelos belgas: Fais-toi plaisir (faça prazer a você mesmo).  Me lambuzo com isso!

Que os apressados não pensem que, por isso, eu passo em lojas de relógios caros ou roupas deslumbrantes, saco o cartão de crédito e compro o que vejo pela frente, apesar do meu saldo digno de jornalista. Não saio por aí fazendo o que me dá na telha, como uma adolescente que se acha imortal, assim como não faz meu estilo beber até cair ou coisas do gênero.

"Vivo-me" quando presto atenção em mim mesma e identifico o que me faz feliz. Ou sei que uma atitude vai respeitar os desejos do meu coração, apesar do que está marcado na agenda. Não tem nada a ver com preguiça, pois, em muitos casos, "viver-me" significa passar horas cozinhando para quatro ou cinco amigos – mesmo sabendo que é bem mais confortável combinar de encontrá-los num bar ou restaurante. "Vivo-me" no tempo em que me permito, me enxergo (e aos meus) como merecedores das coisas que considero boas.

"Viver-se" é gostar de sua própria companhia numa sexta à noite que não promete muito mais que um bom vinho, uma pizza light de supermercado ou um filme por acaso na tevê. Eu "vivo-me" quando me sou licença para dizer não a um monte de coisas no fim de semana só para ficar em casa. Ou o contrário. "Vivo-me" ao tomar um chá prestando atenção nele, no aroma, no gosto, na temperatura da caneca que aquece minhas mãos.

Sei que parece simples. Mas estou convencida de que há muita gente que não se faz prazer para dar prazer aos outros. Estou igualmente certa que isso não é altruísmo. Muitas vezes esse comportamento é, simplesmente, insegurança. Medo de desagradar. Talvez seja só uma desculpa pra reforçar minha tese, mas prefiro acreditar que se você está bem, a qualidade do que passa de você mesmo aos outros é melhor.

Quero, com isso, dizer apenas que é simples ter bons momentos e que o pouco basta, desde que saibamos curtir e valorizar os instantes que nos fazem bem. Clarice Lispector já havia dito que simplicidade dá muito trabalho. Estou de acordo. É uma atividade árdua, mas, uma vez lá, pode significar felicidade.

10 comentários:

Gracyelly disse...

Aline, ontem a noite tava pensando exatamente nisso. Depois de um dia cansativo de trabalho, tomei um banho quente e me esparramei na minha cama e abri um livro. E como algo tão simples me faz tão bem.

Gracyelly disse...

Detalhe, era noite de sexta e eu estava bem satisfeita com a minha companhia, rs.

Cristian de Almeida disse...

Ótima descrição !!
Você como eu morou um tempo fora, onde longe de família e amigos acabamos por aprender rapidamente como nos dar prazer ao invés de esperar dos outros, acredto que no dia-a-dia longe de casa isso me ajuda a continuar, nos todos merecemos esse tempo, se gastamos horas em nossos dias trabalhando pra outros ou tentando agradar outros, por que não gastarmos um pouco (ou muito) com nós mesmos?
Beijinhu
Cris

rimene amaral disse...

não foi elogio, apenas! puro e simples elogio! não é questão de elogiar. é constatação. e constatação de quem tem o direito e o crédito para tal.
eu vivo-me, mas você se vive mais. você se vive sóbria. eu caio e, quando não, sustento o copo com firmeza, mas os sentidos se apagam. você também 'viveu-me' isso. por isso que o meu amor por você é maior do que os porres. e olha que cada porre é homérico!!! vivi-te. amo-te!
ps.: eu tambémme perco no tempo nas lojas de relógios.

Projeto Reticere disse...

puxa Nina.. que texto sublime... "... eu "vivo-me" quando me sou licença para dizer não a um monte de coisas no fim de semana só para ficar em casa".. tava com saudades daqui...

Beijão se cuida

Gleuber Militani
Projeto Reticere

Prospecção Novos Negócios disse...

Oi Aline,
Cada dia me encanto mais com suas palavras, revelações encantadoras.
Continue assim e sempre terá um seguidor.

Sucesso e paz.

Rogério Magno.

Plenitude do Ser disse...

Oi nina!

Adoro seus textos! Sou sua fã!

Posso publicar esse no "dom"?

Bjs

Tati Pastorello disse...

Aline, quanta verdade em tudo que disse. Acho que felicidade genuína só se encontra na simplicidade. Não que algo sofisticado ou grandioso, como uma viagem incrível não possa nos deixar contentes, mas felicidade é mais interno e muito mais simples, por isso dá tanto trabalho... a gente complica as coisas!
Beijos.

taderbal disse...

adorei esse texto e o Rimene foi muito feliz na expressao dele

Anônimo disse...

NOBRE JORNALISTA:

O CNJ IGNORA O QUE PASSA NA JUSTIÇA. ENTÃO É DE SE PERGUNTAR, ESTARIA O CNJ CUMPRINDO O SEU PAPEL, OU APENAS VIVENDO DE APARENCIAS E A CORRUPÇÃO CONTINUA CADA VEZ MAIS PROFUNDA?



AJUDE A DIVULGAR

É BOM CONHECER UM POUCO DA JUSTIÇA:
É BOM VERIFICAR AS DENUNCIAS DO DR. ABBOUDLAHDO NO YOU TUBE SOBRE A JUSTIÇA NO BRASIL


http://youtu.be/2iiYgdZOipw

http://youtu.be/GbNAtPRd5Qk

http://youtu.be/nOKbfFFg23M


estes são alguns vídeos que fez sobre invasão de terras no ms pelo poder judiciario
SOU JORNALISTA FOTOGRAFICO E TAMBÉM DIRIGI O FILME DE LONGA METRAGEM INTITULADO PARALELOS TRAGICOS